Editorial

Os textos de nossos boletins semanais


TRANSFORMAÇÃO

Das tradições, zeloso, o fariseu
Saulo de Tarso a igreja devastava.
Na seita mais severa do judeu,
Ameaças e mortes respirava.

O inútil legalismo em que vivia
Não lhe trouxera paz ao coração,
Nunca sentira em si a alegria
Que era comum no rosto do cristão.
A expressão de Estevão, no martírio
(que, impassível, de perto presenciara)
Mostrava aquela paz inexplicável,
Que existisse, jamais imaginara.
Mas, Cristo ressurreto lhe aparece,
Qual luz brilhante em sol de meio dia;
E Saulo a Jesus Cristo reconhece,
Cego ficará, mas, agora O via,
Não como aquele que julgara morto
E sim o Salvador - Filho de Deus.
Não mais perseguiria “os do Caminho”;
Irmãos queridos já seriam seus.

E como Apóstolo do Mestre amado,
Por Ele viveria com ardor.
A graça do Senhor lhe bastaria,
Morreria feliz por seu amor

Lêda Rejane Accioly Sellaro