Editorial

Os textos de nossos boletins semanais


UMA BOA NOTÍCIA PARA TODOS

Deus criou o mundo e nos criou para servi-lo e para desfrutar dele e do mundo por ele criado. Contudo, os seres humanos não quiseram servi-lo; pecaram e arruinaram a si mesmos e a criação. Todavia, Deus prometeu não os abandonar (embora tivesse todo o direito de fazê-lo), mas resgatá-los, apesar da culpa e da condenação sob as quais se achavam e apesar do seu coração e do seu caráter inveteradamente corrompidos.
Para isso, primeiramente Deus separou uma família do mundo para que o conhecesse e o servisse. Então, trouxe crescimento a essa família, tornando-a uma nação; celebrou com ela um relacionamento de aliança pessoal e de fidelidade; deu-lhe sua lei para guiá-la na vida, prometeu abençoá-la se obedecesse a essa lei; e lhe deu ainda um sistema de ofertas e de sacrifícios para lidar com seus pecados e falhas.
Contudo, a natureza humana é de tal modo desordenada e pecaminosa que, apesar de todos os privilégios e séculos de paciência divina, até mesmo seu povo da aliança – que havia recebido a lei, as promessas e os sacrifícios – se desviou dele. Parecia não haver esperança para a raça humana.
No entanto, Deus se tornou carne e entrou no mundo do tempo, do espaço e da história. Ele viveu uma vida perfeita, mas então foi para a cruz morrer. Quando foi ressuscitado dos mortos, foi revelado que ele havia vindo para cumprir a Lei com sua vida perfeita, para oferecer o sacrifício final, tomando sobre si a maldição que merecíamos e assegurando desse modo as bênçãos prometidas a nós por sua graça gratuita.
Agora, os que creem nele estão unidos a Deus apesar do pecado, e isso muda o povo de Deus de um simples estado-nação para uma nova comunhão multiétnica internacional de crentes de todas as nações e culturas. Agora servimos a ele e a nosso próximo enquanto aguardamos, em esperança, que Jesus retorne e renove toda a criação, abolindo a morte e todo o sofrimento.

Tim Keller
Pastor presbiteriano norte-americano