Editorial

Os textos de nossos boletins semanais


COMO É O SEU DEUS?

Esmagados pelo sofrimento, só temos uma direção para olhar: para o alto, para Deus: “Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro?” (Salmo 121.1).
Mas quem é esse Deus? Que concepção você tem sobre ele? Ele é alguém com quem você convive em seu dia a dia ou é aquele sobre quem você ouviu falar em sua comunidade religiosa?
Podemos ter falsas imagens de Deus:
O deus Papai Noel é aquela imagem do bom velhinho de longas barbas brancas, muito bonzinho, condescendente com tudo o que fazemos e totalmente inofensivo. É um deus “açucarado” demais, que depende de um palco que lhe preparam, pois não tem poder algum para fazer algo por si mesmo. É doce demais para levar a sério nossas aflições e nos consolar. Não mata a sede de nossas almas, nem nos traz paz.
O deus carrasco é aquele fiscal severo e enérgico que está vigiando você, atento a tudo o que você pensa ou faz, com o intuito de pegá-lo em alguma falha para puni-lo. É aquele deus másculo, soberano, de mão pesada, que desconsidera a fragilidade humana e nos dá aquilo que é além de nossas forças para que possamos suportar. Ele realmente não se importa conosco, com nosso sofrimento, mas tudo o que faz é para agradar a si mesmo e alcançar os seus propósitos.
O Deus verdadeiro é o Criador dos céus e da terra, aquele que nos conhecia enquanto ainda estávamos no ventre de nossa mãe, antes de termos nascido. Ele é o poderoso Deus que, ao mesmo tempo que tem o poder para determinar e controlar todas as coisas, nos ama profundamente, conhece nosso sofrimento e nos carrega no colo em meio à dor.
“O meu socorro vem do SENHOR, que fez o céu e a terra. Ele não permitirá que os teus pés vacilem; não dormitará aquele que te guarda.” (Salmo 121.2-3).

Eleny Vassão
Capelã hospitalar